1/2

Projeto da Mata Ciliar é apresentado em propriedade no interior de São Carlos


No Oeste de Santa Catarina é histórico o problema da ocupação das áreas de preservação permanente de forma irregular, principalmente por atividades como agricultura e pecuária, neste caso o acesso de animais aos cursos de água. O Projeto Mata Ciliar em parceria com a Casan desperta o interesse das famílias rurais em proteger as áreas de APP, através da disponibilidade do recurso financeiro aliado a educação ambiental.

No dia 30 de novembro de 2017, a CASAN (órgão financiador) e o Consórcio Iberê (órgão executor) assinaram convenio do programa de recuperação e preservação das matas ciliares nas bacias contíguas da região hidrográfica RH2 (Rios Chapecó e Irani) e áreas de contribuição dos mananciais utilizados pela empresa.

O Projeto Mata Ciliar CASAN 2018 foi executado nas propriedades dos municípios consorciados (São Carlos, Águas de Chapecó, Planalto Alegre, Guatambu, Caxambu do Sul, Chapecó e Cordilheira Alta) em parceria com EPAGRI, Comitê de Bacias Chapecó/Irani, Universidade Federal da Fronteira Sul UFFS, UCEFF, UNOCHAPECO e UNOESC.

O objetivo do projeto é criar condições técnicas e operacionais para que os beneficiários voluntários, pequeno agricultor, que possui propriedades com até dois módulos fiscais (40 hectares), possa recuperar e proteger as Áreas de Preservação Permanente (APPs) degradadas e conservar os recursos hídricos.

No município de São Carlos o projeto Mata Ciliar CASAN 2018 beneficiou 15 propriedades permitindo o isolamento de 8,9 hectares através de construção de cercas. A estratégia com a construção da cerca, isolando as áreas próximos aos riachos é deixar que naturalmente a vegetação se desenvolva e cumpra a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, facilitar o fluxo gênico de flora e fauna, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas.

Os resultados podem ser observados através da melhoria na qualidade da água das nascentes, dos cursos de água, na proteção do solo e no retorno gradativo da fauna e flora, que se dão naturalmente. Com tantos resultados positivos, existem proprietários aguardando a implantação do projeto, que segue um planejamento executivo considerando, principalmente, a bacia de abastecimento público do município. Este projeto é um trabalho contínuo e complexo que vem apresentando importantes resultados sociais, ambientais, políticos e econômicos.

Ao longo dos últimos anos, através de projetos, o Consórcio Iberê conseguiu atender a 424 famílias, ajudando a isolar e recuperar 282 hectares de Áreas de Preservação Permanentes. A partir de 2019 as propriedades beneficiadas serão acompanhadas e monitoradas para levantamento dos resultados alcançados.

Na última quarta-feira (03) os envolvidos do município de São Carlos realizaram uma confraternização na propriedade de Léo Hister na comunidade de Alto Aguinhas, com a presença dos técnicos responsáveis dos municípios de São Carlos, de Águas de Chapecó e Caxambu do Sul, além do vice-prefeito de São Carlos Kelen Giongo e da equipe da Secretaria de Agricultura.

#JORNALISMO

TROPICAL FM 97.7 - 2020

LESS webmaster