1/2

Cinco anos depois, Fabrício admite erro por xingar torcida do Inter: "Fiz m*"


Há cinco anos longe do Beira-Rio, o lateral-esquerdo Fabrício ainda se envergonha pela ferida aberta após xingar a torcida do Inter. Até mesmo os laços de amizade e o apreço pelo clube que o projetou nacionalmente acabam em segundo plano ao recordar os fatos daquele 1º de abril de 2015. A certeza é uma só: "Fiz m*".


Em entrevista, Fabrício aflora o arrependimento pela marca negativa deixada no Beira-Rio naquela partida contra o Ypiranga, pelo Gauchão. Um ano antes da atitude explosiva, havia entrado na história ao fazer o primeiro gol do novo Beira-Rio, em goleada por 4 a 0 sobre o Caxias.

- Fiz m*, uma grande m*. Eu nem perdi a bola. Eles (torcedores) chiaram e fiz os gestos no momento. Eu ia bater a lateral e veio a expulsão. Quando estava saindo, chegam Juan, Jorge Henrique. Eu só ia tirar a camisa, estava sem graça. Aí já tinha feito a m*. A camisa caiu e o pessoal ficou chateado, mas eu nunca imaginei em jogar a camisa no chão. Eu perdi a cabeça - relata.

Recapitulando. No dia 1º de abril de 2015, o Inter venceu o Ypiranga por 1 a 0 no Beira-Rio pelo Gauchão. Mas o resultado ficou em segundo plano. Aos 18 minutos do segundo tempo, Fabrício foi vaiado pela torcida ao perder lance na linha lateral. Fora de si, fez gestos obscenos para a arquibancada e foi expulso. Ao sair de campo, ainda jogou a camisa no chão.


Fabrício acabou suspenso preventivamente. Depois, foi emprestado ao Cruzeiro. A passagem pelo Inter chegava ao fim. Só retornou em um duelo pelo Palmeiras. A dor segue latente.


Aos 33 anos, o jogador aguarda o que será feito no calendário do futebol para definir o futuro. Ele disputava o Paulistão pelo Água Santa quando a pandemia do coronavírus paralisou as atividades no país.


FONTE: Globoesporte.com

TROPICAL FM 97.7 - LESS.webmaster