1/2

SC vive situação histórica e dramática devido estiagem



Com apenas metade das chuvas previstas para o ano, os prejuízos causados pela estiagem em Santa Catarina se agravam a cada semana.




O déficit hídrico no Estado, de acordo com dados da Epagri/Ciram, ultrapassa os 900mm nas principais regiões produtoras de proteína animal: Oeste, Extremo Oeste e Meio Oeste. A seca já é considerada a pior dos últimos 15 anos e está derrubando a produção agropecuária catarinense.


O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), Enori Barbieri, afirma que a situação vivida pelos produtores catarinenses é histórica e dramática. A pouca chuva que caiu nas últimas semanas até ajudou na germinação da soja, cujo plantio está sendo finalizado, porém, foi insuficiente para assegurar a produção de milho e de pastagens para alimentação dos animais.



Grãos, aves e suínos


Da mesma forma, o aumento dos custos de produção e a seca histórica também impactaram na produção de grãos, aves e suínos. A lavoura de milho, cujo plantio foi finalizado, aponta perdas de mais de 700 milhões de toneladas na safra. O milho silagem acumula perda média de -6,75%, resultando numa produção esperada de 8,8 milhões de toneladas. Na região Extremo Oeste a perda média é de -13,76%, enquanto no Oeste fica em -7,24%. Alguns municípios destas regiões já somam perdas na produção superiores a 60%.


Para o milho grão da primeira safra, até o momento, a perda média esperada para o Estado é de -4,12%. O maior impacto está no Extremo Oeste, onde a quebra de produção média é de -19,07%. No Oeste a perda está em -9,2%. Neste cenário, a produção esperada é de 2,8 milhões de toneladas.


De acordo com a FAESC, a escassez hídrica nas pequenas propriedades do interior está provocando sérios problemas de abastecimento. Só no Oeste, em uma das agroindústrias, já são 110 aviários parados por falta de água para as criações.



Fonte/foto: Fecoagro/Faesc

TROPICAL FM 97.7 - LESS.webmaster